Entre para seguir isso  
Bereba

Acordo de Livre Comércio com a Argentina

Recommended Posts

Guedes assina com Argentina acordo que prevê livre comércio de automóveis em dez anos

 

06/09/2019 09h50  Atualizado há uma hora

 

O acordo automotivo entre Brasil e Argentina, que será anunciado nesta sexta-feira (6) pelos ministros Paulo Guedes (Economia) e Dante Sica, ministro argentino da Produção, prevê que em dez anos haverá livre comércio de carros entre os dois países.

O último acordo entre Brasil e Argentina foi assinado em 2016 e se encerra em junho do ano que vem. O texto prevê uma regra de comércio pela qual as exportações de um país para o outro não pode ultrapassar uma vez e meia do valor que importa do outro. É chamado sistema flex do acordo.

 
image.jpeg.f89aa44a838154c1943364711c7a18ad.jpeg

O ministro da Fazenda, Paulo Guedes, durante evento de um banco em São Paulo no mês de agosto — Foto: Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo

O ministro da Fazenda, Paulo Guedes, durante evento de um banco em São Paulo no mês de agosto — Foto: Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo

Pelo novo acordo, essa relação irá aumentando até chegar a três vezes. Ou seja, as exportações de um país podem exceder em até três vezes as importações. Mas a partir de janeiro de 2029, estabelece-se o livre comércio, sem qualquer limite para importações e exportações entre os dois países.

Essa regra flex tem beneficiado o Brasil, que tradicionalmente tem exportado mais do que importado da Argentina. Mas o comércio bilateral de veículos e autopeças é relevante para ambos os países. Cerca de 50% das exportações de automóveis do Brasil tem como destino a Argentina. Já em relação à Argentina, as vendas para o Brasil representam 80% das exportações totais de veículos.

O acordo a ser assinado hoje tem outro aspecto importante: procura alinhar as regras de comércio entre os dois países ao que prevê o acordo Mercosul-União Europeia. Caso esse acordo seja ratificado, prevê imediata redução de 35% para 17,5% da alíquota de importação de automóveis da Europa, limitada a uma cota anual de 50 mil veículos, dos quais 32 mil são para o Brasil.

A partir do décimo ano, a alíquota cai progressivamente até chegar a zero no 16° ano. A partir de então, haverá livre comércio de veículos entre os dois blocos, sem restrição de cotas.

O que se busca então com o acordo desta sexta é prever livre comércio de automóveis entre Brasil e Argentina, antes que entre em vigor o livre comércio entre Mercosul e União Europeia.

https://g1.globo.com/economia/blog/joao-borges/post/2019/09/06/guedes-assina-com-argentina-acordo-que-preve-livre-comercio-de-automoveis-em-dez-anos.ghtml

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por Bereba
       
      http://g1.globo.com/carros/noticia/2017/01/volkswagen-vai-fabricar-primeiros-carros-com-jac-motors-ate-2018.html
      Volkswagen vai fabricar primeiros carros com Jac na China até 2018
      Acordo para produção de modelos elétricos foi feito em setembro de 2016.
      Marca alemã vendeu quase 4 milhões de veículos no país no último ano.
      Da Reuters Volkswagen vendeu quase 4 milhões de veículos na China em 2016 (Foto: Tobias Schwarz/Reuters) A Volkswagen planeja fabricar os primeiros carros com a chinesa JAC Motors até 2018 e espera que a joint venture seja aprovada pelo governo na primeira metade do ano, disse nesta quinta-feira (19) o presidente da empresa na China, Jochem Heizmann.
      As duas montadoras assinaram um acordo preliminar em setembro para explorar a produção de veículos elétricos.
      Segundo Heizmann, a Volkswagen espera que o mercado automotivo chinês cresça em ritmo mais lento de 5% em 2017, mesma previsão da associação local de montadoras, enquanto incentivos fiscais para carros com motor pequeno são revertidos.
       A empresa alemã entregou 3,98 milhões de veículos na China em 2016, 12,2% mais que o de 2015, tornando-se a montadora estrangeira com maior presença no país. Heizmann disse que a Volkswagen planejava investir 4 bilhões de euros na China em 2017 por meio de joint ventures. O mercado automotivo chinês, o maior do mundo, se fortaleceu após o governo reduzir os impostos para carros com motor de até 1,6 litro no fim de 2015, ajudando a impulsionar as vendas para 13,7% no ano passado.
      O tributo que incidia sobre esses carros subiu para 7,5% neste ano, ante 5% em 2016, e vai retornar ao patamar de 10% em 2018.