Entre para seguir isso  
Bereba

Tipos de Câmbios e suas características

Recommended Posts

Ótimo Texto que explica as características de cada tipo de câmbio:

 

Automático, automatizado, CVT, DCT: como escolher

25/05/2018

Editorial

Entenda as diferenças práticas, para dirigir e manter, entre os tipos de transmissão com mudanças automáticas

 

Ficar livre das mudanças de marcha e do acionamento da embreagem, no trânsito nosso de cada dia — que há tempos deixou de ser caótico apenas nas maiores cidades —, é algo que tem motivado cada vez mais compradores de automóveis a optar pelas transmissões com trocas automáticas. Basta ver a frequência com que essas caixas, em suas variações, têm sido oferecidas em carros menores e mais acessíveis ou notar a crescente dificuldade de encontrar um modelo de caixa manual acima de certo patamar de preço.

No entanto, carros com mudanças automáticas não são todos iguais: é natural que opções como a caixa de variação contínua (CVT), a automatizada e a de dupla embreagem, como alternativas à automática tradicional, causem dúvidas ao comprador. Mesmo que o leitor assíduo do Best Cars seja em regra um bom conhecedor dessas diferenças, escolhi o tema para o Editorial, pois recebemos visitas de públicos diversos e certamente o assunto seria útil a muita gente. Vamos, então, entender de forma simples o que diferencia esses tipos de transmissão.

 

Por muito tempo, a transmissão automática ganhou fama de vilã do consumo de combustível e de ser onerosa de manter, mas isso mudou — em parte

 

Caixa automática do Fiat Argo: bom "pulo" inicial e suavidade nas trocas, com prejuízo do consumo Caixa automática do Fiat Argo: bom “pulo” inicial e suavidade nas trocas, com prejuízo do consumo

 Caixa automática tradicional – Foi a primeira a surgir e a única disponível nos carros nacionais até 15 anos atrás, quando o Honda Fit trouxe a primeira CVT. Dos quatro tipos, é um dos mais confortáveis (ao lado da CVT) por promover uma transição suave entre as marchas. Oferece também o melhor efeito de “rastejar”, aquele empurrão que se obtém ao liberar os freios sem tocar no acelerador, tão oportuno em pequenas manobras e no para-anda do trânsito. E suas reduções de marcha são rápidas e cômodas.

Por muito tempo, a automática ganhou fama de vilã do consumo de combustível e de ser onerosa de manter. Isso mudou — em parte. Os carros ficaram mais econômicos com maior número de marchas (há 10 anos era comum haver só quatro; hoje, vários carros pequenos têm seis e já existem 10 no Ford Mustang) e estratégias que aumentam a eficiência da caixa. Quanto à manutenção, existem oficinas especializadas mesmo em cidades não tão grandes e suas trocas de fluido estão bem mais espaçadas — várias marcas nem demandam essa operação por toda a vida útil do carro.

Boa parte do aumento de consumo, em relação a uma versão manual, é causada pelo mesmo equipamento que faz essa transmissão tão suave e confortável: o conversor de torque (entenda como funciona). Nos carros mais antigos o conversor atuava todo o tempo. Mais tarde surgiu um bloqueio que o tirava de ação na última marcha, em benefício da economia em uso rodoviário. Hoje o conversor pode ser bloqueado em todas ou quase todas as marchas, servindo basicamente para as mudanças e o acoplamento nas saídas, tal e qual a embreagem da caixa manual.

Ele tem ainda uma importante função ao acelerar: multiplicar o torque do motor nos momentos iniciais da saída, o que traz a essa caixa uma vantagem decisiva na sensação de desempenho quando, por exemplo, o semáforo se abre. Mesmo com os citados avanços, porém, dos quatro tipos ainda é aquele que mais impacto traz ao consumo.

CVT do Nissan Kicks: eficiente, mas com marchas emuladas para evitar o ruído constante CVT do Nissan Kicks: eficiente, mas com marchas emuladas para evitar o ruído constante

 Caixa de variação contínua (CVT) – Mais antiga do que muitos pensam, a CVT surgiu nos anos 50 na DAF holandesa, mas foi de 10 anos para cá que seu uso se tornou mais comum. A ideia é promover uma transição gradual entre as “marchas”, ou relações, pela variação de diâmetro de duas polias ligadas por uma correia. Assim, a CVT não tem marchas definidas: só dois extremos, dentro dos quais encontra livremente a relação mais adequada a cada circunstância.

Essa forma de operação a torna não apenas suave, como também eficiente em consumo (motores a combustão gostam de rotação constante) e desempenho. Pode-se, por exemplo, passar de 60 a 100 km/h sem variar os giros do motor. Tal vantagem também constitui seu ponto negativo: o ruído constante — e às vezes incômodo — pode dar a sensação de que o carro não acelera bem e o afasta de qualquer esportividade. Para evitar isso, os fabricantes hoje usam um modo que emula marchas, isto é, faz o variador parar em pontos definidos como se marchas fossem trocadas. A estratégia pode ser fixa, aplicada apenas com maior abertura de acelerador ou disponível no modo de seleção manual.

 

 

A CVT também precisa ser ligada ao motor por embreagem ou conversor de torque, este a solução mais comum. Entretanto, o trabalho do conversor limita-se às saídas e ao tempo de marcha-lenta com alavanca em D, o que reduz seu efeito sobre o consumo. Algumas marcas requerem troca de fluido frequente (a cada 40 mil quilômetros em alguns Hondas) e outras dispensam o serviço.

Fiat Uno com caixa automatizada: eficiente em consumo e desempenho, mas a menos suave das quatro Fiat Uno com caixa automatizada: eficiente em consumo e desempenho, mas a menos suave das quatro

 Caixa automatizada – Em termos simples, é uma caixa manual na qual um “robô” faz os trabalhos de acionar a embreagem e mudar as marchas nos momentos adequados. Surgiu como opção mais barata à automática, mas é vantajosa também em eficiência: por não usar conversor de torque, o consumo médio fica bem próximo ao do carro manual. Também não se perde muito em desempenho, salvo em acelerações severas — em geral, a caixa não permite arrancar tão forte quanto a manual para preservar a embreagem.

Sua maior desvantagem está na menor suavidade: é a única que precisa interromper o fornecimento de potência do motor às rodas nas mudanças de marcha (para cima ou para baixo), que são mais lentas e causam um “soluço”. Nada diferente da caixa manual, mas, como as trocas nem sempre são esperadas, pode causar desconforto em alguns. A automatizada mantém a embreagem, que se desgasta e requer substituição como na manual. Por outro lado, o usual é não requerer troca de fluido.

 

A automatizada é vantajosa também em eficiência: por não usar conversor de torque, o consumo médio fica bem próximo ao do carro manual

 

Dupla embreagem no Ford Fiesta: rápida para subir marchas, lenta para reduzir, e favorável à economia Dupla embreagem no Ford Fiesta: rápida para subir marchas, lenta para reduzir, favorável à economia

 Caixa automatizada de dupla embreagem– Há quem argumente que esse tipo (conhecido em inglês pela sigla DCT) é automático e não automatizado, mas o fato é que fica no caminho entre os dois tipos. Seu trunfo é usar duas embreagens, uma para as marchas pares, outra para as ímpares. Assim, a caixa opera com pré-seleção: quando usa a segunda, por exemplo, a terceira está engatada e basta acoplar sua embreagem para efetuar a troca, sem interromper a potência, de forma rápida e suave.

Sem conversor de torque, essa transmissão é muito eficiente em consumo, mas não conta com o “pulo” inicial da automática. Outra desvantagem está na lentidão para reduções, sobretudo para marchas da mesma embreagem (por exemplo, de quarta para segunda quando o motorista acelera a fundo de repente): nesse caso é como uma automatizada comum. E raramente é tão suave em pequenos movimentos quanto a automática.

Há dois tipos para essa caixa: com embreagens a seco e banhadas em óleo (o grupo Volkswagen, por exemplo, usa ambos os tipos de acordo com a versão). O segundo resiste melhor a motores de alto torque e evita ruídos em piso irregular, causados pela embreagem não acoplada. Algumas dessas transmissões dispensam troca de fluido, como a da Ford; outras a requerem, como a da VW, a cada 60 mil km. As embreagens em si são bem mais duráveis que as das automatizadas comuns.

Qual desses tipos é o melhor? Como vimos, cada um tem seus benefícios e suas desvantagens, além de se prestar melhor a algumas aplicações que a outras. CVTs raramente agradam em carros esportivos, que combinam com caixas de dupla embreagem, assim como carros de baixa cilindrada são penalizados em eficiência com a automática tradicional, mas ficam muito bem com a CVT. O mais importante é conhecer suas diferenças — e experimentá-las nos carros desejados — para não haver arrependimento após a compra.

 

 

 

http://bestcars.uol.com.br/bc/informe-se/colunas/editorial/cambio-automatico-automatizado-cvt-dct-como-escolher/

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por guiqfc
      Boa Tarde amigos ! Tenho um golf tsi 2017 cambio tip tronic Uma curiosidade o seu reduz de 3a para 1a marcha direto ? ou ele reduz 3 ,2,1 o meu esta reduzindo de 3a marcha para 1a direto não passa pela 2a. Deixei na autorizada para ver e ele so reduz para segunda quando estou em descidas e tbm da um pequeno tranco quando entra segunda amigos... Acho q meu cambio veio premiado com esse problema...     RESPONDER    
    • Por joaoh2
      Faala, Pessoal.

      Meu nome é João entrei recentemente no fórum e estou em busca de um Golf tsi com câmbio manual. 
       Preferência por: 
      - baixa km
      - highline
      - com teto solar
    • Por Wr_beier
      Oi pessoal, tenho um mk7 2018, com o câmbio DSG 6, alguém sabe se o câmbio melhorou da geração passada, ou continua dando problema?
    • Por RafaelR
      Olá!
      Ultimamente tenho notado um barulho muito estranho no meu GTi 2016, ele está com 30 mil km.
      O barulho acontece as vezes ao ligar o carro, ao ligar, ele vibra um pouco ( normal ) mas essa vibração causa um barulho parecendo o barulho de bater com o dedo em um vidro, mas acontece varias vezes durante essa vibraçao, aparenta ser em baixo do console central. Tentarei gravar e colocar aqui, mas é dificil pois só faz as vezes.
      Esse mesmo barulho acontece quando, estou andando em segunda marcha(especialmente) em torno de 20-30km/h se eu retirar o pé do acelerador da pra sentir a embreagem desacoplando e exatamente no mesmo momento ele dá esse barulho que parece que alguem bateu com a mao no painel central. se eu voltar a acelerar, esse mesmo barulho acontece denovo exatamente no mesmo tempo que a embreagem acopla denovo.
      De vez em quando, esse mesmo barulho tambem acontece quando estou freiando e o DSG resolve reduzir de 3-2 ou 2-1 quando a nova marcha é engatada, ao mesmo tempo, esse som se repete.
      Estou com muito medo que seja algo relacionado ao cambio.
      Esse som se parece muito com o som que um motor com coxim estourado faz ao acelerar e desacelerar.
      Já levei na concessionaria e nao identificaram nada de estranho. Em uma oficina de confiança, foi passado o scanner, e nada foi visto. Não foi feita uma inspeção visual.

       
       
      Acontece com mais alguem? alguma recomendação?
       
       
    • Por Rafaelheringer
      Vendo Golf Highline DSG Unico Dono
      2014/15 mexicano
      unico dono
      27 mil km, garantia ate fev/19
      sem detalhes, placa final 5
      DSG trocado em set/18 (cambio fabricado em maio/18 na Alemanha. Por conta disso, garantia ate set/19
      Valor: 69.5k
      ctt: 11 98571 4230