iCardeX

Members
  • Total de itens

    2502
  • Registro em

  • Última visita

  • Days Won

    238

iCardeX last won the day on September 12

iCardeX had the most liked content!

8 Seguidores

Sobre iCardeX

  • Rank
    Advanced Member

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    DF
  • Interests
    Viajo e vivo por aí....

Últimos Visitantes

6157 visualizações
  1. Finalmente, o serviço completo! Meus parabéns. Se o problema do DSG fosse comigo, eu também iria para as últimas consequências dos fatos contra a VW.
  2. Tive o par de discos de freio dianteiro condenados no Concessionário autorizado, numa revisão esporádica dos 60.000Km. Sujeito "profissional" condenou o disco apenas examinando "no olho". Par de discos, que em 2015 custavam R$ 1.800,00. Até ai tudo bem.... só que exigi o teste de espessura comprovada via micrõmetro. Meu irmão, que novela!!! Quase 30 minutos para essa ferramenta aparecer. Tem que falar com meia dúzia de pessoas, enfim, uma burocracia do caralho. Pensei que fosse feramenta forjada em ouro 18 quilates, cravejado de diamantes, e ainda com um microchip desenvolvido pela Nasa. Quando finalmente a ferramenta pareceu e o mecânico do concessionário autorizado fez a mensuração na minha frente, ele ficou todo sem graça, porque segundo o manual técnico, faltava cerca de 60% de desgaste para ser necessária a troca do disco. E eu falando: Qual é o problema de discos e das pastilhas, se está tudo dentro dos conformes técnicos, e não tenho dificuldade nenhuma para freiar o carro. Salvo engano, o par de discos foi trocado somente na futura revisão dos 120.000Km, ou seja, quase 2 anos depois do diagnóstico. E só troquei porque começou a fazer um barulho chato, porque sequer tinha comido até o limite do sensor presente nele. Por essas e outras é que é difícil acreditar em mão obra especializada do concessionário autorizado, e de qualquer lugar. Torquímetro, não tem muitos anos que descobri que existia no concessionário autorizado. Outra novela para que fosse utilizada essa ferramenta nos parafusos do meu carro... Como alguns sabem, sou profissional da área de T.I, mas não sou “barato”. O que mais encontro, aqui nas empresas do DF, são cenários assim: Mas pergunta quantos clientes querer pagar o valor justo, e abandonar esses profissionais que praticam serviços suínos. E deixar a infra-estrutura assim? Só me chamam quando a bomba estoura de vez...
  3. iCardeX

    Golf Mk 8

    Ganhou o meu respeito! A vida também é feita justamente dos prazeres encontrados nos menores detalhes. Eu não viajo para chegar, mas para viver enquanto estou viajando. Nada contra quem gosta de "lamber" pintura do carro, e fica de mimimi para colocar o Golf em estrada de terra. Como estou ligado ao ramo da tecnologia da informação, não posso me manter "desconectado" por muito tempo, nem avançar muito os limites do nosso Brasil. Uma vez minha namorada me levou para uma ilha lá no fim da Bahia (Morro de São Paulo). Fomos de avião. Lugar aonde não entrava carro nem pintado de ouro. Gostei da experiência. Mesmo assim, teve um dia que fiquei trabalhando remotamente dentro do mar.
  4. iCardeX

    Golf Mk 8

    Estamos aí, e continuamos pisando na praia dos outros carros, com o Golf. Coisa que no território do Golf eles não conseguem competir....
  5. iCardeX

    Golf Mk 8

    Eu amo dirigir. Aqui no DF, como te disse, é algo prazeroso porque as pistas são fluídas. Vou para tudo quanto e lugar com os meus carros. Escravizei todos eles. Aliás, acredito que quebrei (ou comecei a quebrar) a barra estabilizadora da direção do Golf, enfrentando justamente território hostil aonde o Renegade e Duster imperavam, lá em Alto Paraíso. Estressei os componentes mecânicos do carro até o limite da sensatez, e paguei o preço. Mas enquanto eu enfrentava montanhas esburacadas, enquanto o carro se negava a retorcer o chassi, enquanto ia fazendo aquele controle sinuoso da embreagem, enquanto o controle de tração ia queimando as pastilhas de freio, me veio a cabeça porque diabos eu não estava num carro automático. Claro que eu tava cagando para a declividade da montanha e para os componentes, o que me preocupava era mais a tensão na perna que controlava a embreagem. Porque o Golf 1.4L tem o câmbio levemente pesado. Enfim, carro é muma máquina foi feito para usar. Quando eu morrer não vai ter carro, não vai ter pista, não ter porra nenhuma de planeta para eu desfrutar. Entao, se eu estou aqui, melhor fazer bom proveito. De uma coisa tenho certeza: na pista de asfalto o Golf reina. Em tempo: estou pensando em trocar o Fit por um Q3 1.4L. O preço do Q3 usado está convidativo. Vou lá naquela porra e rasgar a montanha com ele.
  6. iCardeX

    Golf Mk 8

    O Golf MK7 será o meu último carro de câmbio manual. Aqui no DF, ainda é viável e até prazeroso o carro manual. Devido a nossa topologia geográfica e layout de pistas, dá para rodar a 60Km/h em sexta-marcha, e sem qualquer dificuldade. Mas confesso que o câmbio de tecnologia automática, para mim, será um caminho sem volta. Não faz sentido conectar meu cérebro, minhas 2 pernas e meus 2 braços ao carro. Meus tempos de garotão, e que gostava de conversar de igual para igual com o motor, acabou. Quero mais é paz e sossego, para ouvir música no carro, relaxar no engarramento, dançando com o pé esquerdo, enquanto tomo um suco ou refrigerante com a outra mão. Tenho usado mais o Fit justamente por conta do conforto promovido pelo câmbio, e até esqueço que o carro e todo baseado em plástico duro. Aliás, nem me importo da autonomia de 12Km/L do Fit vs 22Km/L do Golf. Uma coisa compensa a outra. E, para mim, o conforto sempre vence.
  7. Nenhuma das concessionárias te deu a opção de encomendar? Praticamente qualquer peça (que não seja da manutenção crucial), para 99% dos veículos comercializados no Brasil, precisa ser encomendada. Nenhuma concessionária costuma ter estoque de nada, por mera e simples questão estratégica. Ao menos aqui no DF, em 5 a 15 dias, qualquer peça de veículo chega se você deixar os 50% do valor como forma de calção do pagamento.
  8. Além das observações do [mention=1118]Jorge Jox[/mention], acrescento que o nível construtivo é absolutamente igual, seja ele Brasileiro, Mexicano ou Alemão. Muda uma besteira ou outra no acabamento, mas nada de excepcional. Apenas a questão que nas versões Highlines, quando não vinham com os bancos em couro, eram de tecido de boa qualidade, mesclado com partes em alcântara, que era realmente algo diferenciado. Tem gente que enche a boca para falar que tem um Golf Alemão como se tivesse pego a última cereja do bolo. Uma besteira sem fundamento nenhum. Costumo soltar um: "Grandes merda" para quem enche a boca para dizer que tem um Golf alemão. Eu tenho um, e daí??? Em verdade voz digo: se tens um modelo alemão, pegou a primeira versão dos Golfs MK7, e, naturalmente, sem a revisão de fabricantes/fornecedores de peças para VW. E aqui listo: *Bomba dágua costuma dar problemas. * Acabamento cromado da manopla do câmbio costuma descascar. * lentes dos faróis de neblina simplesmente craquelam (micro-rachaduras por dentro) * Câmbio DSG, estatísticamente, tem uma maior amostragem de travamento. O que mais tem é o modelo Alemão com câmbio travado ou que precisou substituir a mecatrônica, até mais de uma vez. * Terceira Luz de Freio (em led) costuma queimar. Na verdade, não queima, é um diodo dentro do circuito controlador dela que vai para o saco, e faz com que os leds parem de funcionar. * Anéis de vedação do tubo de pressurização do turbo compressor costumam apresentar problemas. * Porta-malas costuma entrar água no compartimento do estepe. Os supostos "melhores" Golfs foram os modelos comercializados entre 2013 e final de 2014: tinha freio eletrônico, suspensão multilink e lanternas traseira em led, de série, em todas as versões. É bom dar uma olhada nos recalls que podem ter passado desapercebido pelo antigo proprietário: https://vwapps.volkswagen.com.br/Recall
  9. DT CLEAN é somente um nome bonitinho para a gasolina com detergente. O recomendável é se informar com o antigo proprietário se ele usava gasolina aditivada (detergente), comum ou a Premium (que contém detergente também). Se ele sempre abasteceu com gasolina COMUM, e você pretende utilizar gasolina aditivada isso poderá acarretar problemas. O detergente pode dissolver muito bruscamente as sujeiras residuais no tanque, e conduzir para os bicos injetores do motor, o que pode provocar o entupimento dos mesmos. O ideal, para esse caso, seria criar proporções entre a aditivada e a comum, durante uns 5 tanques, para dissolver menos agressivamente os resíduos acumulados dentro do tanque que usava gasolina comum, até que finalmente se use a gasolina completamente aditivada.
  10. Tua preocupação pode se tornar uma dor cabeça, se queimarem algum módulo eletrônico do teu carro, justamente por executarem o procedimento que é ridículo de simples (correto), mas de forma tão “equivocada”. Teve um sujeito aqui no fórum que relatou que o sensor dos airbags foi permanentemente danificado depois que trocaram a bateria do Golf dele. Detalhe: fizeram com motor ligado e essa chupeta maluca. Pergunta pra quem ficou o prejuízo...
  11. kkkk..... Em tese, e na prática, o concessionário autorizado afirmou que "o mundo se acaba para o Golf" se a bateria zerar a carga completamente? Já passou pela tua cabeça a quantidade de baterias tendo a sua vida finalizada em face ao volume de Golfs MK7 fabricados para mundo inteiro? Baterias que já foram para o bebeleleu porque o dono deixou o carro muito tempo parado, porque ocorreu falha de fabricação, porque acabou o fim de vida útil dela..... Não encontrei um relato sequer de gente querendo processar a VW, só porque perdeu o histórico do consumo de combustível ou só porque teve que ajustar o relógio do computador de bordo depois que trocou a bateria do Golf. Pare com esse melodrama!
  12. Proteger a memória de quê? Pra quê? Por quê? Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  13. 34 - SUBSTITUIÇÃO DA BATERIA [MANUTENÇÃO] O procedimento é simples, rápido e direto: desligue o carro, retire a chave da ignição, e remova os polos da bateria. Retire a bateria antiga começando pelo isolamento do polo negativo. Ao substituir a bateria, instale os cabos, começando pelo positivo. Concluída a etapa de troca da bateria, atente-se que no momento em que girar a chave de ignição para posição ligar, a central vai promover um reset dos sensores principais, e fará o retest automático. Aqui vai uma dica valiosa: depois que a nova bateria for plugado ao veículo e o motor for ligado, esterçe o volante para o máxima à direita, e depois para a posição máxima À esquerda.Isso vai validar o teste da direção, e apagar o respectivo aviso de erro no computador de bordo. Os demais sensores se estabilizarão-se automaticamente nos primeiros 30 ou 50 metros de locomoção do veículo. É recomendável, caso vá utilizar bateria fora da especificação original, programar via VCDs, Obdelenve ou VAG Autorizado, o novo parãmetro de amperagem da bateria. A forma como o Golf carrega a bateria é baseado numa série de variáveis, mas ele se orienta principalmente através da informação de amperagem máxima suportada pela bateria, informação que deve ser setada dentro da central eletrônica do carro. Atenção: Não invente! Troque a bateria com o motor desligado!
  14. Pode tirar os polos da bateria, e trocar a bateria com o carro DESLIGADO, e totalmente sem pressa. O Golf não é uma bomba-relógio não. Depois de trocar a bateria, basta esterçar o volante para a esquerda, depois para a direita. E rodar uns 30 metros.... O sensores se estabilizam automaticamente. Já troquei a bateria do meu carro 2 vezes. Não há mistério nenhum. Em tempo: inventa esse negócio não, de trocar a bateria com o carro ligado! Se dê merda (curto-circuito, por exemplo), te prepara para uns R$ 5.000,00 ou R$ 10.000,00 de prejuízo. E não vá pensando que o sujeito que vai trocar a bateria tem cacife para bancar esse tipo de prejuízo não....
  15. Na boa, não tem argumento que se apresente que salva a postura VW. O câmbio é problemático e deveria sim ter recebido o recall nacional/mundial para o reparo. A questão não é ter se passado 2 ou 3 anos do fim da garantia. Milhares de proprietários tiveram esse problema no câmbio DSG justamente no período vigente dela. Teve gente que trocou o câmbio e foi mais de uma vez. Reclameaqui, todo o santo dia tem um proprietário reclamando desse câmbio travado, dos custos de reparo, e da negativa da VW em resolver o problema. Então, convenhamos que é um problema reconhecido, inclusive, pela própria da VW que até veio com essa desculpa esfarrapada de troca "em cortesia" após o fim da garantia de 3 anos. Cortesia após o fim da garantia???? E essa história de "cortesia" é o caralho. O nome disso é simplesmente produto com vício oculto. Venderam um BO no nosso mercado e ainda ficam se esquivando descaradamente da responsabilidade. O que me admira é ninguém ter postado nenhum caso de ganho judicial contra a VW para servir de base de jurisprudência para outros processos.